Biofeedback… uma técnica estudada desde o século V a.c.

O sistema INDIGO Biofeedback com que trabalho, conhecido como terapia quântica, está baseado em séculos e séculos de investigação conduzidas nos campos da medicina bioenergética e da bio-reactividade… Conheça neste artigo todos os passos que nos trouxeram até à tecnologia com que trabalhamos hoje…

As aplicações mais completas e sofisticadas do conceito do corpo eléctrico estão a ser agora descobertas. Mas a longa história de grandes mentes e pensadores que contribuíram para esta área de conhecimento é impressionante. Neste artigo, baseado em documento oficial da The Quantum Alliance (www.thequantumalliance.com), segue-se uma descrição breve das descobertas fundamentais e influências neste campo. Estes são apenas alguns dos pioneiros que utilizaram os impulsos eléctricos para melhor estudar o corpo e o ajudar no sentido da auto-cura.
Século V a.C.
Os filósofos gregos Democritus e Leucippus propuseram que a matéria, incluindo o corpo humano, era composta por partículas minúsculas e indivisíveis a que chamaram átomos, ou ‘a-tomos’, em grego. Os médicos da antiga Grécia também se aperceberam que os impulsos eléctricos emitidos por enguias-eléctricas usadas nos banhos de pés terapêuticos aliviavam a dor e tinham uma influência benéfica na circulação.
46 D.C.
Os médicos Largus e Dioscorides deixaram documentados muitos resultados terapêuticos da utilização de correntes eléctrica em problemas de circulação e de gestão de dor relacionada com nevralgia, enxaqueca e artrite.
1700 D.C.
Muitos médicos europeus utilizaram correntes eléctricas controladas obtidas a partir de geradores electrostáticos, quase exclusivamente em muitos problemas físicos que envolviam dor, trauma e problemas de circulação. Também, nessa época, Benjamin Franklin documentou a redução da dor com auxílio de correntes eléctricas em casos como ‘ombro gelado’.
1840 D.C.
Foi criado o primeiro departamento inglês de terapia eléctrica no Guy’s Hospital, sob a direcção do Dr. Golding Bird. A descoberta eléctrica de Galvano conduz à utilização de correntes Galvânicas pulsantes.
1860 D.C.
Foi o início da estimulação Farádica. Bristow desenvolveu a Bobine de Bristow, utilizando o princípio de Faraday do controle electro-magnético da tensão da energia eléctrica.
1860 D.C.
Descoberta do Corpo Eléctrico por Michael Faraday. A electricidade é comum em todo o corpo. Nervos especiais feitos de células, chamados neurónios conduzem os sinais eléctricos de todo o corpo até ao cérebro e do cérebro a todas as partes do corpo. Esses nervos também transmitem electricidade entre as diferentes partes do cérebro. Genericamente, é este o modo como o cérebro nos fornece a informação a partir dos nossos sentidos, processa a informação e nos ajuda a controlar os músculos e órgãos. Os historiadores da ciência referem-se a Faraday foi um dos melhores experimentalistas da História da Ciência.
1897 D.C.
Thompson descobriu o primeiro componente do átomo: o electrão, uma partícula com carga eléctrica negativa.
1891 D.C.
Nikola Tesla apresenta um artigo no ‘Electrical Engineer’ sobre a aplicação médica de correntes de alta frequência. Ele verifica que quando o corpo é atravessado por correntes alternas acima de uma certa frequência, gera-se calor.
1905 D.C.
Einstein confirma a teoria de Plank ao demonstrar que a energia da luz é determinada pela sua frequência em que E=hf.
1910 D.C.
Cerca de 50% dos médicos dos EUA utilizaram a electro-medicina na sua prática do dia a dia.
1920 – 1930 D.C.
O Dr. Royal Raymond Rife conseguiu proezas extraordinárias em medicina e em biologia usando frequências.
1920 – 1960 D.C.
Vasta investigação sobre Bio-energética e biofeedback por Rife, Tesla e Miller. O Biofeedback Bio-energético é estudado como o efeito de sinais eléctricos na cura de feridas e deficiências.
1944 D.C.
Schrodinger escreveu o livro ‘What is Life?’ no qual fala sobre a entropia negativa ( energia que tende para uma maior organização) e sobre o conceito de uma molécula complexa com o código genético de organismos vivos. Neste livro ele escreve que o ADN, e portanto a biologia, é de natureza quântica e não termodinâmica. Segundo as memórias de James D. Watson, ‘DNA, Secret of Life’, o livro de Schrodinger inspirou Watson na pesquisa dos genes, o que levou à descoberta da estrutura de hélice dupla do ADN.
1929 D.C.
Lakhovsky publicou o seu livro ‘The Secret of Life’. Realiza estudos e concluí que as células possuem resistência, capacitância e indutância e que funcionam como circuitos ressonantes sintonizados, susceptíveis de entrar em ressonância com uma frequência ressonante quando expostas a uma gama de frequências.
Anos 1950 D.C.
O estudo de avaliação da reactividade eléctrica teve início com as investigações do Dr. Reinhold Voll. Voll conseguiu medir as variações da resistência da pele em pontos de acupunctura e demonstrou que o corpo reage electricamente às coisas de que precisa e portanto também a coisas que lhe são prejudiciais.
1955 D.C.
O Dr. James Pershing Isaacs publica o seu trabalho no ‘Complementary in Medicine’ e define que a Biologia é Quântica. Werner Heisenberg é o autor da introdução.
1985 D.C.
Becker publica o livro ‘The Body Electric’. A sua teoria desafia o vigente entendimento mecanicista sobre o corpo. Com os resultados da investigação, é capaz de revelar pistas que levam a uma melhor compreensão do processo de cura em que a teoria da electricidade é vital à vida. Becker começou por analisar porque as razão de curas normais dos ossos e depois explorar as razões porque os ossos não se curam correctamente. As suas experiências foram feitas principalmente em salamandras e rãs e o seu âmbito foi alargado ao estudo da regeneração após lesões, como no caso da amputação de membros. Ele pôs a hipótese dos campos eléctricos desempenharem um papel importante no processo de regeneração e mapeou os potenciais eléctricos das diversas partes de corpo durante a regeneração. Este trabalho mostrou que as partes centrais do corpo eram geralmente positivas e os membros negativos. Quando uma salamandra ou rã sofria uma amputação de um membro, a voltagem no corte mudava de cerca de -10mV (minivolts) para +20mV, ou mais no dia seguinte – um fenómeno chamado de corrente da lesão. Numa rã, a voltagem só voltava ao valor negativo normal após aproximadamente quatro semanas e não havia qualquer regeneração do membro. Numa salamandra, no entanto, a voltagem mudava durante as duas primeiras semanas de +20 mV para -30 mV, e depois normalizava (em -10 mV) durante as duas semanas seguintes – e o membro era regenerado.
Anos 1970 D.C.
A Neuroestimulação Eléctrica Transcutânea (TENS) é reconhecida como um método válido na gestão da dor pela FDA (America’s Food and Drug Administration). Muitas empresas americanas começam a produzir os aparelhos TENS. É desenvolvido o pacemaker para o coração.
1959 D.C.
Em 1959 o Prémio Nobel da Química foi atribuído a Jaroslav Heyrovsky “pela sua descoberta e desenvolvimento dos métodos de análise de Voltametria polarográfica”. Isto comprova o facto de que há uma assinatura energética de um campo voltamétrico à volta de todas as coisas.
1988 D.C.
O aparelho de electro-acupunctura de Voll da medicina energética é registado na FDA (o aparelho de Voll tinha apenas medida unidimensional da resistência da pele).
1989 D.C.
Em 1989 a FDA regista o biofeedback Xrroid do Professor Nelson que é um aparelho tridimensional trivector para enviar e medir voltametria.
2010 D.C. – Hoje
Hoje, milhares de médicos e investigadores em todo o mundo estão a investigar a electromedicina e o biofeedback como alternativas válidas aos métodos tradicionais de tratamento. Estas vias estão a conduzir a novas possibilidades no tratamento de problemas como lesão da medula espinal, recuperação muscular, regeneração dos nervos, estimulação do cérebro, doenças da bexiga, doenças do coração, tumores e outras doenças e afecções crónicas devastadoras.

Biofeedback… uma técnica estudada desde o século V a.C

O sistema INDIGO Biofeedback com que trabalho, conhecido como terapia quântica, está baseado em séculos e séculos de investigação conduzidas nos campos da medicina bioenergética e da bio-reactividade… Conheça neste artigo todos os passos que nos trouxeram até à tecnologia com que trabalhamos hoje…

As aplicações mais completas e sofisticadas do conceito do corpo eléctrico estão a ser agora descobertas. Mas a longa história de grandes mentes e pensadores que contribuíram para esta área de conhecimento é impressionante. Neste artigo, baseado em documento oficial da The Quantum Alliance (www.thequantumalliance.com), segue-se uma descrição breve das descobertas fundamentais e influências neste campo. Estes são apenas alguns dos pioneiros que utilizaram os impulsos eléctricos para melhor estudar o corpo e o ajudar no sentido da auto-cura.
Século V a.C.
Os filósofos gregos Democritus e Leucippus propuseram que a matéria, incluindo o corpo humano, era composta por partículas minúsculas e indivisíveis a que chamaram átomos, ou ‘a-tomos’, em grego. Os médicos da antiga Grécia também se aperceberam que os impulsos eléctricos emitidos por enguias-eléctricas usadas nos banhos de pés terapêuticos aliviavam a dor e tinham uma influência benéfica na circulação.
46 D.C.
Os médicos Largus e Dioscorides deixaram documentados muitos resultados terapêuticos da utilização de correntes eléctrica em problemas de circulação e de gestão de dor relacionada com nevralgia, enxaqueca e artrite.
1700 D.C.
Muitos médicos europeus utilizaram correntes eléctricas controladas obtidas a partir de geradores electrostáticos, quase exclusivamente em muitos problemas físicos que envolviam dor, trauma e problemas de circulação. Também, nessa época, Benjamin Franklin documentou a redução da dor com auxílio de correntes eléctricas em casos como ‘ombro gelado’.
1840 D.C.
Foi criado o primeiro departamento inglês de terapia eléctrica no Guy’s Hospital, sob a direcção do Dr. Golding Bird. A descoberta eléctrica de Galvano conduz à utilização de correntes Galvânicas pulsantes.
1860 D.C.
Foi o início da estimulação Farádica. Bristow desenvolveu a Bobine de Bristow, utilizando o princípio de Faraday do controle electro-magnético da tensão da energia eléctrica.
1860 D.C.
Descoberta do Corpo Eléctrico por Michael Faraday. A electricidade é comum em todo o corpo. Nervos especiais feitos de células, chamados neurónios conduzem os sinais eléctricos de todo o corpo até ao cérebro e do cérebro a todas as partes do corpo. Esses nervos também transmitem electricidade entre as diferentes partes do cérebro. Genericamente, é este o modo como o cérebro nos fornece a informação a partir dos nossos sentidos, processa a informação e nos ajuda a controlar os músculos e órgãos. Os historiadores da ciência referem-se a Faraday foi um dos melhores experimentalistas da História da Ciência.
1897 D.C.
Thompson descobriu o primeiro componente do átomo: o electrão, uma partícula com carga eléctrica negativa.
1891 D.C.
Nikola Tesla apresenta um artigo no ‘Electrical Engineer’ sobre a aplicação médica de correntes de alta frequência. Ele verifica que quando o corpo é atravessado por correntes alternas acima de uma certa frequência, gera-se calor.
1905 D.C.
Einstein confirma a teoria de Plank ao demonstrar que a energia da luz é determinada pela sua frequência em que E=hf.
1910 D.C.
Cerca de 50% dos médicos dos EUA utilizaram a electro-medicina na sua prática do dia a dia.
1920 – 1930 D.C.
O Dr. Royal Raymond Rife conseguiu proezas extraordinárias em medicina e em biologia usando frequências.
1920 – 1960 D.C.
Vasta investigação sobre Bio-energética e biofeedback por Rife, Tesla e Miller. O Biofeedback Bio-energético é estudado como o efeito de sinais eléctricos na cura de feridas e deficiências.
1944 D.C.
Schrodinger escreveu o livro ‘What is Life?’ no qual fala sobre a entropia negativa ( energia que tende para uma maior organização) e sobre o conceito de uma molécula complexa com o código genético de organismos vivos. Neste livro ele escreve que o ADN, e portanto a biologia, é de natureza quântica e não termodinâmica. Segundo as memórias de James D. Watson, ‘DNA, Secret of Life’, o livro de Schrodinger inspirou Watson na pesquisa dos genes, o que levou à descoberta da estrutura de hélice dupla do ADN.
1929 D.C.
Lakhovsky publicou o seu livro ‘The Secret of Life’. Realiza estudos e concluí que as células possuem resistência, capacitância e indutância e que funcionam como circuitos ressonantes sintonizados, susceptíveis de entrar em ressonância com uma frequência ressonante quando expostas a uma gama de frequências.
Anos 1950 D.C.
O estudo de avaliação da reactividade eléctrica teve início com as investigações do Dr. Reinhold Voll. Voll conseguiu medir as variações da resistência da pele em pontos de acupunctura e demonstrou que o corpo reage electricamente às coisas de que precisa e portanto também a coisas que lhe são prejudiciais.
1955 D.C.
O Dr. James Pershing Isaacs publica o seu trabalho no ‘Complementary in Medicine’ e define que a Biologia é Quântica. Werner Heisenberg é o autor da introdução.
1985 D.C.
Becker publica o livro ‘The Body Electric’. A sua teoria desafia o vigente entendimento mecanicista sobre o corpo. Com os resultados da investigação, é capaz de revelar pistas que levam a uma melhor compreensão do processo de cura em que a teoria da electricidade é vital à vida. Becker começou por analisar porque as razão de curas normais dos ossos e depois explorar as razões porque os ossos não se curam correctamente. As suas experiências foram feitas principalmente em salamandras e rãs e o seu âmbito foi alargado ao estudo da regeneração após lesões, como no caso da amputação de membros. Ele pôs a hipótese dos campos eléctricos desempenharem um papel importante no processo de regeneração e mapeou os potenciais eléctricos das diversas partes de corpo durante a regeneração. Este trabalho mostrou que as partes centrais do corpo eram geralmente positivas e os membros negativos. Quando uma salamandra ou rã sofria uma amputação de um membro, a voltagem no corte mudava de cerca de -10mV (minivolts) para +20mV, ou mais no dia seguinte – um fenómeno chamado de corrente da lesão. Numa rã, a voltagem só voltava ao valor negativo normal após aproximadamente quatro semanas e não havia qualquer regeneração do membro. Numa salamandra, no entanto, a voltagem mudava durante as duas primeiras semanas de +20 mV para -30 mV, e depois normalizava (em -10 mV) durante as duas semanas seguintes – e o membro era regenerado.
Anos 1970 D.C.
A Neuroestimulação Eléctrica Transcutânea (TENS) é reconhecida como um método válido na gestão da dor pela FDA (America’s Food and Drug Administration). Muitas empresas americanas começam a produzir os aparelhos TENS. É desenvolvido o pacemaker para o coração.
1959 D.C.
Em 1959 o Prémio Nobel da Química foi atribuído a Jaroslav Heyrovsky “pela sua descoberta e desenvolvimento dos métodos de análise de Voltametria polarográfica”. Isto comprova o facto de que há uma assinatura energética de um campo voltamétrico à volta de todas as coisas.
1988 D.C.
O aparelho de electro-acupunctura de Voll da medicina energética é registado na FDA (o aparelho de Voll tinha apenas medida unidimensional da resistência da pele).
1989 D.C.
Em 1989 a FDA regista o biofeedback Xrroid do Professor Nelson que é um aparelho tridimensional trivector para enviar e medir voltametria.
2010 D.C. – Hoje
Hoje, milhares de médicos e investigadores em todo o mundo estão a investigar a electromedicina e o biofeedback como alternativas válidas aos métodos tradicionais de tratamento. Estas vias estão a conduzir a novas possibilidades no tratamento de problemas como lesão da medula espinal, recuperação muscular, regeneração dos nervos, estimulação do cérebro, doenças da bexiga, doenças do coração, tumores e outras doenças e afecções crónicas devastadoras.

Fredy Vinagre

Técnico de Biofeedback
Menu