Educação para as emoções

Ao longo dos anos que trabalho com crianças, tenho considerado fundamental uma alfabetização para as emoções, cujo objetivo é a educação para os sentimentos, crenças, atitudes e emoções das crianças no sentido de melhorar as suas relações interpessoais e as aptidões sociais.
Todas as crianças sentem emoções perante uma determinada situação, mas nem sempre conseguem compreendê-las, nem expressá-las da melhor forma, o que dá origem a “birras”, choros incontroláveis, comportamentos agitados e até agressivos.
É fundamental que as crianças aprendam a identificar e nomear as suas emoções, bem como a reconhecê-las em si próprios e nos outros, pois irá, sem dúvida, contribuir para que compreendam o que sentem, lidem melhor com os problemas, solucionem com maior facilidade os conflitos e consigam colocar-se no lugar do outro (empatia).
Desta forma, estaremos a preparar as crianças para que desenvolvam e mantenham relacionamentos mais saudáveis uns com os outros, bem como com os adultos.
No acompanhamento que tenho feito numa escola em Lisboa, através de jogos e histórias as crianças aprendem a reconhecer as suas emoções e as dos outros. Com técnicas de atenção plena, mindfulness, a criança aprende também a conectar-se consigo própria, com o seu corpo, com os seus pensamentos e as suas emoções. Aprende a reconhecer as suas emoções mais difíceis, a aceitá-las e integrá-las em si em vez de projetá-las nas outras crianças, ou mesmo negar o que sente.
Este trabalho passa igualmente por ir de encontro às necessidades e dificuldades que os pais sentem na educação dos seus filhos, fazendo-os refletir sobre as emoções e comportamentos das crianças e fornecendo-lhes estratégias para lidar com o dia a dia.
Algo que aconselho vivamente aos pais é aprenderem a acalmar-se antes de intervirem numa situação mais tensa com o seu filho, nomeadamente através da respiração abdominal. Apesar de não ser fácil nas primeiras vezes, pois tendemos a encolher a barriga quando inspiramos e a soltá-la quando expiramos, vale a pena tentar até conseguir. Experimentem fazer 3 a 5 vezes esta respiração, quando estão mais nervosos ou mesmo irritados e verão mudanças no vosso estado de espírito:
– Ao inspirar contem até 4, sentindo que a barriga está a esticar;
– Retenham a inspiração, contando até 4;
– Ao expirar contem até 6, sentindo que a barriga está a encolher;
– Repitam este processo 3 a 5 vezes.

Conselhos aos pais:
– Promovam a expressão emocional, nomeando as vossas emoções e permitindo ao vosso filho fazê-lo também.
Exemplo: “Hoje, o/a pai/mãe está triste porque o trabalho não correu tão bem. E como correu o teu dia? Como te sentiste hoje?”
– Ajudem o vosso filho a refletir sobre as emoções e abordem a forma de lidar com o problema.
Exemplo: “Ficaste zangado com o teu amigo na escola. Compreendo que estejas magoado com o que ele te fez. Vamos respirar fundo, relaxar um pouco e depois, vamos pensar no que podemos fazer para que te sintas melhor.”

No próximo mês partilharei aqui algumas dicas para as crianças!
Até lá!

Menu